2º EIA - Esquadrão Apolo

 

No dia 10 de julho de 1969 a Escola de Aeronáutica passou a se chamar Academia da Força Aérea, sendo transferida em definitivo no dia 23 de outubro de 1971 do Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro, para Pirassununga, uma pequena cidade no interior do Estado de São Paulo, a cerca de 200 km da capital. Na época de sua transferência, o Curso de Formação de Oficiais Aviadores tinha a duração de apenas três anos, sendo os dois primeiros realizados nos aviões holandeses Fokker T-21 e T-22, para o treinamento básico e avançado (substituídos pelos aviões brasileiros Aerotec T-23 Uirapuru e Neiva T-25 Universal), completando a sua instrução nos jatos Cessna T-37C Tweety Bird, que entraram em operação durante o ano de 1968 e voaram na Academia da Força Aérea até 1979. Até a entrada em operação do Embraer T-27 Tucano no dia 01 de julho de 1984, o T-25 Universal foi usado na instrução avançada.

 

Atualmente, os Cadetes Aviadores iniciam a instrução aérea primária e básica em seu segundo ano na Academia da Força Aérea, voando o Neiva T-25 Universal, completando 75 horas de voo nessa aeronave. No quarto ano os Cadetes realizam a sua instrução avançada na aeronave Embraer T-27 Tucano, também de fabricação nacional, no qual voam cerca de 125 horas. Nessas aeronaves os Cadetes desenvolvem as qualidades individuais de pilotos militares, dominando o avião em manobras de precisão, acrobacias, voos de formatura e por instrumentos, preparando-se para o seu emprego em futuras operações de combate.

 

Além de aprenderem a voar, os Cadetes completam o currículo técnico-especializado do Curso de Formação de Oficiais Aviadores com cursos de aerodinâmica, propulsão a jato, navegação aérea, tráfego aéreo, inglês técnico e meteorologia. Os novos pilotos saem da Academia da Força Aérea como Aspirantes a Oficial Aviador, seguindo para Natal, no Rio Grande do Norte, onde irão se aperfeiçoar voando no Esquadrão Joker.

 

O Segundo Esquadrão de Instrução Aérea (2º EIA) é conhecido como Esquadrão Apolo e possui quatro Esquadrilhas: Orion, Centaurus, Aquila e Leo.

 

Aeronaves

 

Atualmente o Segundo Esquadrão de Instrução Aérea utiliza as aeronaves de fabricação nacional Neiva T-25 Universal, nas versões T-25A e T-25C, com alguns melhoramentos nos sistemas de bordo. O primeiro protótipo do T-25 Universal realizou seu voo inaugural no dia 09 de abril de 1966, tendo sido projetado para substituir os monomotores North American T-6 Texan na instrução avançada dos Cadetes da Força Aérea Brasileira. O T-25 Universal está equipado com um motor convencional Lycoming IO-540 refrigerado a ar com 300 hp de potência, tem velocidade máxima de 277 km/h e autonomia de 1.150 km, peso vazio de 1.150 kg e peso máximo de decolagem de 1.700 kg. O comprimento é de 8,76 metros e a envergadura de 11,00 metros.

 

Fonte: SPOTTER / CECOMSAER

 

RETORNAR