1º/1º GT - Esquadrão Gordo

 

O Primeiro Grupo de Transporte foi criado no dia 5 de outubro de 1944, iniciando as suas operações com as aeronaves Douglas C-47 Dakota no Calabouço, atual Aeroporto Santos-Dumont, no Rio de Janeiro, sendo transferido no dia 19 de janeiro de 1948 para sua atual sede, a Base Aérea do Galeão, também no Rio de Janeiro. No começo de suas atividades, o 1º GT cumpria principalmente missões de lançamento de paraquedistas do Exército Brasileiro. No dia 17 de fevereiro de 1953, foi criado o Primeiro Esquadrão do Primeiro Grupo de Transporte (1º/1º GT), chamado de Esquadrão Gordo, subordinado posteriormente à Quinta Força Aérea (V FAe).

 

Em 2013, para minimizar os custos de manutenção e melhorar a capacidade operacional, a Força Aérea Brasileira decidiu concentrar em uma única base aérea todos os Hercules de sua frota. Assim, o 1º GTT com seus dois esquadrões, o Coral e o Cascavel, foi transferido para a Base Aérea do Galeão, onde está sediado o Esquadrão Gordo. Desde então, os três esquadrões passaram a atuar de forma totalmente integrada, resultando na retirada dos emblemas das aeronaves. O Gordo, o Coral e o Cascavel não foram extintos, pois as tripulações ainda utilizam os códigos-rádio originais e as bolachas nos uniformes, mas agora as missões são realizadas com qualquer aeronave que esteja disponível. A expectativa é que, com a entrada em serviço do Embraer KC-390, as três Unidades voltem a ter personalidade própria.

 

Com o objetivo de promover o incremento da eficiência administrativa e maior racionalidade da estrutura organizacional, em dezembro de 2016 o Comando da Aeronáutica extinguiu o Comando-Geral de Operações Aéreas (COMGAR), o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA), as quatro Forças Aéreas (I FAe, II FAe, III FAe e V FAe) e os Comandos Aéreos Regionais (I COMAR, II COMAR, III COMAR, IV COMAR, V COMAR, VI COMAR e VII COMAR). Nesse processo de reestruturação, o COMGAR foi substituído pelo Comando de Preparo (COMPREP), o COMDABRA pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) e as Bases Aéreas foram transformadas em Alas, mantendo sob sua subordinação as Unidades Aéreas sediadas em cada uma delas. Assim, a Base Aérea do Galeão se tornou a Ala 11, e nela estão sediados o 1º GTT (Esquadrão Coral e Esquadrão Cascavel), o 1º/1º GT Esquadrão Gordo, o 1º/2º GT Esquadrão Condor, o 2º/2º GT Esquadrão Corsário e o 3º ETA Esquadrão Pioneiro.

 

Aeronaves

 

O Esquadrão Gordo foi a primeira Unidade da FAB a operar as aeronaves de transporte logístico pesado Lockheed C-130E Hercules, recebendo seus três primeiros aviões na segunda metade de 1964, passando a operar oficialmente no dia 18 de fevereiro de 1965, quando os antigos C-47 foram transferidos para a nova Unidade criada para operá-los, o 2º/1º GT. A Força Aérea Brasileira incumbiu o 1º/1º GT de realizar as principais missões de transporte no território brasileiro e no exterior, começando pelas operações sob o comando da ONU no Oriente Médio em 1966. Logo depois, realizou o apoio às forças brasileiras na República Dominicana, o transporte de medicamentos em apoio às vítimas da guerra no Vietnã e envio de ajuda às vítimas do terremoto na Guatemala em 1976, entre outras missões, passando pela "Operação Antártida", em apoio às expedições científicas brasileiras naquele continente.

 

Em 1975 começaram a chegar os primeiros C-130H, mais modernos e potentes, recebendo mais alguns em 1986. Em 1988, o Esquadrão Gordo passou a operar também os antigos SC-130E que foram utilizados anteriormente pelo 1º/6º GAv e pelo 2º/1º GTT. Com isso, além das missões de transporte logístico, passou também a realizar missões SAR (Search and Rescue - Busca e Salvamento). No início dos anos noventa, o Esquadrão Gordo recebeu os KC-130H de reabastecimento aéreo, operados anteriormente pelo 1º GTT. Essas aeronaves retornaram para o 1º GTT no segundo semestre de 2013.

 

Atualmente o Esquadrão Gordo utiliza aeronaves Hercules de vários lotes e origens, como os C-130H recebidos direto da fábrica, alguns C-130E modernizados nos Estados Unidos para o modelo C-130H e alguns C-130H que pertenceram à Força Aérea Italiana. Recentemente, todos os Hercules da FAB foram modernizados e passaram a ser denominados simplesmente como C-130, com alguns recebendo a designação C-130M e SC-130. Além de diversas melhorias nos sistemas operacionais, equipamentos de navegação e painel de instrumentos com telas digitais, os Hercules receberam um novo padrão de pintura.

 

Fonte: SPOTTER / CECOMSAER

 

RETORNAR