1º/15º GAv - Esquadrão Onça

 

O Primeiro Esquadrão do Décimo Quinto Grupo de Aviação (1º/15º GAv) tem uma forte tradição em Mato Grosso do Sul, pois foi criado na Base Aérea de Campo Grande no dia 17 de setembro de 1970. Devido a proximidade da Base Aérea com o Pantanal, foi escolhida a onça-pintada como símbolo, passando a ser denominado Esquadrão Onça. Entre suas principais missões, destacam-se as de transporte de cargas, suprimentos e medicamentos para regiões mais distantes (inclusive no exterior), apoio a destacamentos do Exército e Marinha nas fronteiras, lançamento de paraquedistas das Forças Armadas e apoio aos atletas da Confederação Brasileira de Paraquedismo.

 

Com o objetivo de promover o incremento da eficiência administrativa e maior racionalidade da estrutura organizacional, em dezembro de 2016 o Comando da Aeronáutica extinguiu o Comando-Geral de Operações Aéreas (COMGAR), o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA), as quatro Forças Aéreas (I FAe, II FAe, III FAe e V FAe) e os Comandos Aéreos Regionais (I COMAR, II COMAR, III COMAR, IV COMAR, V COMAR, VI COMAR e VII COMAR). Nesse processo de reestruturação, o COMGAR foi substituído pelo Comando de Preparo (COMPREP), o COMDABRA pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) e as Bases Aéreas foram transformadas em Alas, mantendo sob sua subordinação as Unidades Aéreas sediadas em cada uma delas. Assim, no dia 31 de janeiro de 2017 a Base Aérea de Campo Grande se tornou a Ala 5, e nela estão sediados o 1º/15º GAv Esquadrão Onça, o 2º/10º GAv Esquadrão Pelicano e o 3º/3º GAv Esquadrão Flecha.

 

Demonstrando o seu alto nível de preparação, o Esquadrão Onça é a Unidade de Transporte da FAB que detém a maior quantidade de títulos na Reunião da Aviação de Transporte - RAT, um torneio que reúne toda a aviação de transporte da Força Aérea Brasileira numa acirrada disputa entre os tripulantes. O Esquadrão Onça venceu nove vezes a competição. O seu lema é: "Lançar, suprir, resgatar, nossa sagrada missão!"

 

Aeronaves

 

As primeiras aeronaves utilizadas pelo Esquadrão Onça foram os De Havilland DHC-5 Buffalo, de fabricação canadense e designados na FAB como C-115 Búfalo. No início dos anos 80, essas aeronaves foram transferidas  para o 1º/9º GAv em Manaus, na mesma época em que chegaram na BACG os primeiros Embraer C-95B Bandeirante. No dia 29 de setembro de 2008, o então Ministro da Defesa, Nelson Jobim, esteve na Base Aérea de Campo Grande para entregar os dois primeiros CASA/EADS C-105A Amazonas ao Esquadrão Onça, designados FAB 2808 e FAB 2809. Essas aeronaves entraram em operação no mesmo dia, realizando uma missão de lançamento de paraquedistas em apresentação especial para o Ministro da Defesa. Os Bandeirantes foram desativados no início de 2010.

 

As aeronaves CASA/EADS C295 são fabricadas na Espanha e designadas como C-105A Amazonas na FAB. São equipadas com dois motores Pratt & Whitney Canada PW127G e hélices Hamilton Standard 586-F com seis pás, oferecendo capacidade de transporte de carga e passageiros, velocidade e autonomia muitas vezes superior ao que era proporcionado pelo C-95B Bandeirante. Em 2012, a designação de alguns Amazonas foi alterada de C-105A para C-105. Em 2014 a CASA/EADS passou a se chamar Airbus Military, que em seguida se juntou com a Astrium e a Cassidian para formarem a Airbus Defence and Space.

 

O Cessna C-98A Grand Caravan está equipado com uma turbina Pratt & Whitney PT-6A-114A com 675 shp, tem velocidade máxima de 341 km/h e autonomia de 2.000 km, peso vazio de 1.748 kg e peso máximo de decolagem de 3.630 kg. O comprimento é de 10,72 metros e a envergadura de 15,88 metros.

 

Fonte: SPOTTER / CECOMSAER

 

RETORNAR