2º/7º GAv - Esquadrão Phoenix

 

Através do Decreto nº 22.802 e seguindo a nova organização da Força Aérea Brasileira, no dia 24 de março de 1947 foi criado o Sétimo Grupo de Aviação (7º GAv), sediado em Salvador, na Bahia. No dia 08 de novembro do mesmo ano, foi criado o Primeiro Esquadrão do Sétimo Grupo de Aviação (1º/7º GAv), conhecido como Esquadrão Orungan. O 7º GAv operou inicialmente aeronaves Lockheed PV-1 Ventura e PV-2 Harpoon, recebendo em seguida os North American B-25J Mitchell. No dia 30 de dezembro de 1958, chegaram treze aviões Lockheed P-15 Netuno para formar o Grupo Anti-Submarino, iniciando suas operações em 1959 e voando até o dia 03 de setembro de 1976.

 

O Segundo Esquadrão do Sétimo Grupo de Aviação (2º/7º GAv), conhecido como Esquadrão Phoenix, foi criado pela Portaria Reservada nº 298/GM3, de 11 de setembro de 1981 e ativado em 15 de fevereiro de 1982, sediado na Base Aérea de Florianópolis, Santa Catarina, com o objetivo de realizar missões de esclarecimento e acompanhamento do tráfego marítimo no litoral brasileiro. O principal motivo de sua criação foi a entrada em serviço do Bandeirante Patrulha, uma aeronave com autonomia bem inferior ao Lockheed P-15 Netuno que ele estava substituindo. Devido às dificuldades de cobrir a Região Sul do litoral brasileiro, foi criado o 2º/7º GAv para operar o Embraer P-95B Bandeirante Patrulha nessa região. O P-95B está equipado com um radar de busca APS-128 Super Searcher, equipamentos de comunicação e fotográficos, MAE, EW, ELINT e SIGINT. O armamento pode ser composto por quatro lançadores SBAT-70/7 ou quatro foguetes SBAT-127 instalados sob as asas.

 

O nome Phoenix vem de uma ave da mitologia egípcia, que se consumiu em chamas ao final da sua vida, renascendo de suas próprias cinzas, muitos anos depois. Em Florianópolis existiu um Esquadrão de Patrulha Marítima durante a Segunda Guerra Mundial. Ele foi extinto e ressurgiu quase 40 anos depois, como uma Phoenix.

 

Fonte: SPOTTER / CECOMSAER

 

RETORNAR