1º/5º GAv - Esquadrão Rumba

 

O 1º Esquadrão do 5º Grupo de Aviação (1º/5º GAv) foi ativado pelo Aviso nº 5 de 1º de abril de 1947, em Natal, Rio Grande do Norte, sendo a primeira Unidade Aérea do 5º Grupo de Aviação a ser ativada. Dotado com os aviões North American B-25J Mitchell, tinha a missão de ministrar a instrução aérea para os pilotos de bombardeio da FAB. A partir de 1958, os aviões B-25 Mitchell foram substituídos pelos Douglas B-26B/C Invader, cujas primeiras aeronaves foram recebidas em 7 de setembro de 1957, sendo trazidas em vôo dos Estados Unidos por tripulações brasileiras.

A partir de 1964, o 1º/5º GAv passou a operar como Unidade Operacional de Bombardeio da FAB. As suas aeronaves Douglas B-26B/C Invader passaram por processo de modernização nos Estados Unidos a partir de 1967, sendo que as primeiras unidades modernizadas foram recebidas em 7 de setembro de 1968. Em decorrência de mudanças estruturais ocorridas em Natal, com a criação do Centro de Formação de Pilotos Militares, o 1º/5º GAv foi transferido para Recife, Pernambuco, pela Portaria nº 018-GM7, de 24 de fevereiro de 1970. Sua mudança foi efetivada no dia 15 de fevereiro de 1971, todavia, a permanência do Esquadrão Rumba em Recife foi efêmera, pois devido a problemas estruturais nos aviões B-26, a Unidade foi desativada em 15 de agosto de 1973, tendo o seu pessoal absorvido pelo 2º Esquadrão Misto de Reconhecimento e Ataque e os aviões B-26 foram concentrados no 1º/10º GAv, baseado em Cumbica, na cidade de São Paulo.

Subordinado ao Centro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens (CATRE), o 5º GAv foi reativado pela Portaria nº 310/GM3, de 20 de outubro de 1980 e efetivado em 1º de janeiro de 1981. Essa Portaria também reativa o Primeiro Esquadrão do Quinto Grupo de Aviação (1º/5º GAv), que foi dotado com aeronaves Embraer C-95 Bandeirante, recebendo a missão de efetuar a formação dos pilotos de aeronaves bimotoras para a FAB. A partir de 1987, além dos C-95 Bandeirante, começam a voar com os Embraer T-27 Tucano, que os substituíram totalmente em 1993, acarretando na mudança da missão da Unidade, que passa a ser de formar os pilotos de ataque da FAB.

Prosseguindo nas evoluções ocorridas em Natal, o 5º GAv foi desativado em 29 de agosto de 1994, permanecendo o 1º/5º GAv como Unidade Aérea Isolada e com a mesma missão. Já a Portaria nº R-691/GC3, de 28 de dezembro de 2001, altera a sede do 1º/5º GAv para a Base Aérea de Fortaleza, no Ceará, sendo equipado com aeronaves Embraer C-95 Bandeirante e com a missão de formar os futuros pilotos de Transporte Aéreo, Reconhecimento e Patrulha. Em Fortaleza, o Rumba passou à subordinação da V Força Aérea (V FAe), permanecendo nessa situação até 16 de novembro de 2005, quando tal vinculação passou para a I Força Aérea (I FAe), sediada em Natal, que foi ativada nessa data. No final de 2008, os aparelhos C-95 Bandeirante começaram a ser substituídos pelos mais modernos C-95A Bandeirante.

Através da Portaria nº 1.942/GC3 de 24 de outubro de 2013, o Esquadrão Rumba retornou para a Base Aérea de Natal, após doze anos operando na Base Aérea de Fortaleza. A denominação de “Esquadrão Rumba” surgiu durante as manobras realizadas no início dos anos 50 e homenageia o ritmo musical. As suas quatro esquadrilhas são denominadas com as notas musicais Dó, Ré, Mi e Fá. O seu emblema apresenta a expressão "Êta cabra da peste!" e o seu lema é: “Instruir para o combate".

Com o objetivo de promover o incremento da eficiência administrativa e maior racionalidade da estrutura organizacional, em dezembro de 2016 o Comando da Aeronáutica extinguiu o Comando-Geral de Operações Aéreas (COMGAR), o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA), as quatro Forças Aéreas (I FAe, II FAe, III FAe e V FAe) e os Comandos Aéreos Regionais (I COMAR, II COMAR, III COMAR, IV COMAR, V COMAR, VI COMAR e VII COMAR). Nesse processo de reestruturação, o COMGAR foi substituído pelo Comando de Preparo (COMPREP), o COMDABRA pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) e as Bases Aéreas foram transformadas em Alas, mantendo sob sua subordinação as Unidades Aéreas sediadas em cada uma delas. Assim, a Base Aérea de Natal se tornou a Ala 10, onde estão sediados o 1º/5º GAv Esquadrão Rumba, o 1º/11º GAv Esquadrão Gavião e o 2º/5º GAv Esquadrão Joker. No dia 22 de janeiro de 2018 a Ala 10 passou a sediar o 1º/8º GAv Esquadrão Falcão, vindo da Ala 9 em Belém, Pará, e o 2º ETA Esquadrão Pastor, vindo da Ala 15 em Recife, Pernambuco.

Aeronaves

As aeronaves utilizadas anteriormente nas diversas fases do Esquadrão Rumba foram citadas no texto acima. Em meados de 2013 começaram a chegar os Bandeirantes modernizados, nas versões C-95BM e C-95CM, mais adequados às novas técnicas da instrução de vôo para pilotos operacionais. Essas aeronaves contam com melhorias na parte estrutural e nos sistemas de refrigeração, mecânico e hidráulico, além de modernos sistemas de navegação e comunicação, porém mantendo as mesmas turbinas Pratt & Whitney PT-6A-34 com 750 shp cada. A velocidade máxima é de 452 km/h e a autonomia de 1.900 km, com peso vazio de 3.400 kg e peso máximo de decolagem de 5.600 kg. O comprimento é de 15,33 metros e a envergadura de 14,22 metros.

Fonte: SPOTTER / CECOMSAER

.

.

RETORNAR

.

.

.

.